segunda-feira, 06 de março de 2017

Sindágua/RN completa 53 anos de fundação com desafios de luta
Durante esse período, os trabalhadores em saneamento e meio ambiente potiguares organizaram a sua luta através do Sindicato por melhores condições de trabalho.

SINDAGUARN.COM.BR
Secretaria de Comunicação do Sindágua/RN

Neste 28 de fevereiro de 2017, o Sindágua/RN, um dos mais combativos sindicatos do país, comemorou 53 anos de fundação. Durante esse período, os trabalhadores em saneamento e meio ambiente potiguares organizaram a sua luta através do Sindicato por melhores condições de trabalho. O momento é de comemoração, mas, sobretudo, de reflexão com os desafios de luta que ameaçam a categoria.

Luta

Na campanha salarial, a direção do Sindágua/RN desenvolve um trabalho de mobilização e participação da categoria, no sentido de construir uma pauta de reivindicações que amplie conquistas e vislumbre novos horizontes na carreira, ou seja, garantir que o trabalhador obtenha a manutenção e avanços no acordo coletivo, a partir da garantia no emprego.

O Sindágua/RN ainda atua no sentido de contribuir na construção de políticas públicas para os setores de Saneamento e Meio Ambiente. O Sindicato tem assentos em Conselhos, Câmaras Técnicas e participação em fóruns e audiências, onde, além de contribuir com propostas, faz gestões junto a parlamentares tendo como principais bandeiras de luta:

• A universalidade de acesso aos serviços de saneamento ambiental e aos equipamentos urbanos.

• Preços e tarifas adequadas para promover a justiça social.

• A qualidade, regularidade, continuidade e equidade dos serviços prestados.

• Acesso às informações sobre os serviços.

• A democratização do processo regulatório, com a participação da sociedade civil.

• Controle social dos serviços de natureza pública.

A atuação do Sindágua/RN não se restringe apenas às questões corporativas. Como entidade de classe, busca interagir com os movimentos sociais, populares e institucionais, através de atos, manifestações públicas, palestras, oficinas e debates, combinando os interesses mais imediatos com os interesses gerais da sociedade, sobretudo diante das graves ameaças por parte do governo de Michel Temer com a privatização do saneamento através do Programa de Parceria de Investimentos (PPI), bem como as reformas previdenciária e trabalhista.

PPI

O programa de concessões em saneamento do governo federal, capitaneado pelo BNDES, ganha fôlego neste início de 2017 com o anúncio de uma primeira onda de licitações. Pelo menos oito estados que aderiram ao programa — ao todo são 18 — vão dar partida à contratação dos estudos técnicos que definirão a modelagem para conceder companhias públicas de saneamento à iniciativa privada. O banco de fomento já publicou aviso de licitação em sua página na internet para os primeiros seis editais, referentes a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema), Companhia de Água e Esgoto do Amapá (Caesa), Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) e Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal). O edital sai até o fim de março.

Para fazer frente a essa ameaça, O Sindágua/RN juntamente com os demais sindicatos do Saneamento e do Meio Ambiente de todos os estados e as centrais e federações sindicais está articulado na luta com a grande tarefa de impedir as privatizações das empresas de saneamento no País e consequentemente a entrega destas aos interesses de empresas estrangeiras.

Os trabalhadores repudiaram a diminuição, ou até mesmo a paralisação, dos investimentos na área do Saneamento e classificaram as ameaças de privatização de empresas do setor como “parte integrante do desmonte do estado brasileiro”. Trata-se do sonho de consumo dos neoliberais, representando a retomada do Estado que lhes interessa, que é aquele que abre caminhos para seus lucros, rebaixa seus custos sociais e trabalhistas, e ignora condicionantes ambientais e sociais.

Por sua vez, a reforma trabalhista em discussão no Congresso Nacional até o final deste ano. Encabeçam as mudanças pretendidas: a regulamentação da terceirização, o PPE (Programa de Proteção ao Emprego) – que o governo quer tornar permanente – e a prevalência do negociado sobre o legislado. Já a reforma previdenciária, ameaça acabar com o direito à aposentadoria e as garantias da seguridade social, pois o trabalhador precisará contribuir por 49 anos de trabalho para obter o benefício em valor integral, ou seja, da forma como está imposto, o trabalhador morre antes de se aposentar.

Organização de base – o Sindágua/RN tem uma história de conquistas e de participação social. A diretoria do Sindicato é composta por companheiros e companheiras que escolhem fazer a luta com os trabalhadores.

O fundamental na luta é mobilizar os trabalhadores. Na luta diária, o objetivo maior é defender os direitos dos trabalhadores, fiscalizar as condições de trabalho e cobrar mais valorização do quadro funcional. A nova diretoria do Sindágua/RN é composta por 40 membros, tem mandato de três anos e foi nos dias 11 e 12 de janeiro de 2017 eleita com 1416 votos ou 66,45% dos votos válidos pela categoria através do voto democrático dos associados.
Sindicalize-se e venha fazer parte desta luta!!

   
Mais informações?
Entre em contato com o SINDAGUARN.COM.BR, mande seu recado, envie sua crítica ou sugestão. Enviar.